0
Kimpa Vita, heroína do povo Bakongo

Pesquisa de Tuzolona Cia, Angolano de Mbaza Kongo, residente em Paris/França

Uma das primeiras mulheres africanas a lutar contra o domínio europeu na África durante o período colonial e expor o racismo e a misoginia na igreja católica, fundou o primeiro movimento negro cristão na África Subsaariana.

kimpa_vita

Ela lutou contra todas as formas de escravidão, e tentou conciliar o cristianismo com religiões e crenças africanas, ensinando as pessoas que santos negros se misturavam com os santos brancos no paraíso. Ela foi revolucionária, já que os padres católicos da região (Capuchinhos) ensinavam que no céu só existiam santos brancos.

Ainda na sua adolescência, ela iniciou um movimento não-violento anti Colonial para libertar o Reino do Congo e devolvê-lo à sua antiga glória.

Levou milhares de seu povo para reconstruir e repovoar Mbanza Congo, a capital do Reino outrora gloriosa e unificada. Kimpa Vita foi queimada em uma estaca acusada de heresia.

Mama Kimpa Vita foi uma profetisa negro Africano do Reino do Kongo, quanto a morte dela foi queimada viva, pelos missionários católicos cujo nomes * Padre Lourenço da Luca e Bernardo de Galo.  Kimpa Vita não tem tumulo ela foi queimada, o corpo dela tornou cinza.

Kimpa Vita morreu com 21 anos de idade, uma profetisa, lutou contra o colonialismo de modo espiritual e carnal, com uma determinação de reconstruir o Reino do Kongo, isto é, retroceder a religião dos nossos ancestrais (Antepassados), a cultura, os nomes, a língua os valores civilizatórios da nossa tradição e muito mais, em seguida realizarão um Kisombe (jejum) afim de escolher o novo rei do Kongo, que culminou com a busca de  Kimpa Vita no monte de Serra Kanda (Kuimba), e por fim a queimaram viva.

Ilabantu