zimbabwe-makishi-mascaras
0
Iniciação e Makishi no Zimbábue

No Zimbábue o culto dos makishi ainda é algo preservado pela população das províncias. As danças com utilização de mascaras (makishi) geralmente intrigam o publico assustado tanto os membros mais novos da aldeia como convidados e estudiosos.

Durante séculos notamos a curiosidade desta rica e vasta cultura africana. Mencionamos o segredo daqueles que usam e manipulam o poder das mascaras. O makishi como é conhecido no Zimbábue são espíritos que representam os antepassados e principalmente a perpetuação e o respeito e a moral existente no interior da vida tribal. Ultimamente os makishi se apresentam durante as cerimônias de Mukanda (cerimônia de circuncisão). Sendo no Zimbábue uma pratica masculina. Quanto a mukanda, as suas praticas e performances são fascinantes. Geralmente a realização da Mukanda acontece diante do período de seca entre Maio e o mês de Outubro.

A mukanda é um rito de passagem entre os meninos que atravessam a puberdade para a fase adulta, neste período de transição os makishi são os espíritos guardiães destes jovens, pois ao retornarem para a sua terra idealizada, os makishis levam todo o mal e malefícios que podem atrapalhar o bom andamento da tribo. Durante o período de mukanda, a noite é preparado uma bebida ritual e alguns alimentos específicos para s meninos consumirem durante o ritual realizado por alguns clãs de Zimbábue.

O Nganga Mukanda é o responsável pelas providencias médicas e curandeiras provenientes das circuncisões onde o freio do prepúcio é retirado fria e rapidamente, sendo este o momento culminante do ritual. Estes meninos que participam da mukanda são separados do convívio e no clímax da ritualização, os tambores ressoam alto e fortemente acompanhados de cantigas e suplicas por parte das mães dos iniciados.

A área demarcada é protegida por outros rituais que envolvem segredo absoluto e sacrifícios animais. Durante a reclusão os meninos aprendem regras de convívio e de sobrevivência, assim como suas lendas ancestrais, cânticos, danças, e a base filosófica que acompanha cada grupo ou cada clã. Os cantigos, danças são as formas mais concretas que fazem da mukanda um ritual forte e resistente ao tempo. O banho de rio se apresenta como fonte de limpeza espiritual embalado por cantigas especificas para a situação.

Por fim, os corpos dos jovens são adornados com símbolos e pinturas ancestrais através de traços geométricos, essas pinturas corporais surgem durante a mukanda e no termino das tarefas ritualísticas, os iniciados são apresentados para a população que por sua vez entregam presentes e ajudam a preparar uma mesa farta de alimentos e bebidas.

(1) Fonte: Afrikan Tradinal Zimbábue. Guide and Culture.Press 2010. Tradução livre professor Maurício Luandê – Tata Kwa Nkisi Mutadiamy, diretor do ILABANTU/Nzo Tumbansi, Itapecerica da Serra(SP)

Ilabantu