empoderamento-povos-comunidades-matriz-africana
0
ILABANTU discutirá empoderamento dos povos e comunidades tradicionais de matriz africana

O Instituto Latino Americano de Tradições Afro Bantu (ILABANTU), instituição de fortalecimento político, traçou como meta o empoderamento das Lideranças de Povos e Comunidades Tradicionais de Matriz Africana, que possibilitará a esses povos e comunidades a aquisição da emancipação individual e também da consciência coletiva necessária para a superação da dependência social e dominação política. “O empoderamento devolve poder e dignidade a quem desejar o estatuto de cidadania e principalmente a liberdade de decidir e controlar seu próprio destino com responsabilidade e respeito ao outro”, declarou o Taata Kwa Nkisi Katuvanjesi – Walmir Damasceno, dirigente tradicional do Nzo Tumbansi, ao receber um grupo de educadores na sede do ILABANTU projeto Mangalê.

Relacionado com isso, o ILABANTU instituiu o DIÁLOGO DE LIDERANÇAS DE POVOS E COMUNIDADES TRADICIONAIS DE MATRIZ AFRICANA. O primeiro Diálogo, fora do Estado-Sede nacional da Instituição, acontece dia 24 de agosto de 2013, na Sanzála diá Menha Kuá Lunda, casa de matriz africana congo-angola, dirigida por Taata Nganga Kafuleji, em Belford Roxo, município da Baixada Fluminense, Rio de Janeiro. O evento está mobilizando dezenas de lideranças. Katuvanjesi considera que “o empoderamento social é dar poder a uma comunidade, fazer com que tudo seja mais democrático, que a população em geral tenha poder, que os povos e comunidades tradicionais de matriz africana sejam revalorizadas e tenha também mais riqueza e capacidade, principalmente de acesso aos bens e serviços essenciais oferecidos pelo poder público, especialmente as políticas públicas. O empoderamento social deve ser entendido como um processo pelo qual podem acontecer transformações nas relações sociais, culturais, econômicas e de poder”, sentenciou o líder tradicionalista.

Essa discussão tem como objetivo atrair e atingir o maior numero de lideres de povos e comunidades tradicionais de matriz africana, pautada em agenda para discutir outro tipo de empoderamento, o feminino exercido por diversas e variadas lideranças que é o empoderamento das mulheres, que traz uma nova concepção de poder, assumindo formas democráticas, construindo novos mecanismos de responsabilidades coletivas, de tomada de decisões e responsabilidades compartidas. O empoderamento feminino é também um desafio às relações patriarcais, em relação ao poder dominante do homem e a manutenção dos seus privilégios de gênero, é uma mudança na dominação tradicional dos homens sobre as mulheres, garantindo-lhes a autonomia no que se refere ao controle dos seus corpos, da sua sexualidade, do seu direito de ir e vir.

Ilabantu